sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Retrospectiva

Falaste-me ao ouvido

Num grito mudo de agonia!

Choraste nos meus olhos

Lágrimas sangrentas!

Viveste na vida

A nostalgia do sonho

Quando viste o dia nascer!

Fugiste nas trevas

Para o mais profundo esquecimento

E choraste!

O ponteiro da vida, imóvel

Gritava à noite!

Adormeceste…

E jazias numa gruta de tristeza

Num leito de dor!

Cantaste a melodia mais triste

Até perderes a voz

E quedaste naquele mundo sem vida

A descansar a alma que sofria

Olhaste nos olhos do vazio

Tentando encontrar nele uma alma

Uma réstia de sol

E fugiste do que não conseguiste ver!

O pânico dominou-te todas as veias

Onde o sangue parou de correr, desorientado!

E finalmente paraste

Para desejar o passado

Sentado agora,

Num muro inerte

Pensas apenas…

…que já não sabes viver!

1 comentário:

Pedro Martins disse...

Lindo, continua :)